Estou ciente de que os dados fornecidos são exclusivamente para cadastro mencionado no formulário. Após finalização, os dados serão armazenados pelo Grupo Empresarial OCEQ de forma segura, apenas com a finalidade de manter histórico de atividades realizadas e sem hipótese de transmissão a terceiros, conforme Lei Nº 13.709 - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)

CONTABILIDADE ESPECIALIZADA

Pedidos de recuperação judicial recuaram 33,8% no último trimestre

O bureau da Central de Proteção ao Crédito (SCPC) registrou queda de 33,8% nos pedidos de recuperação judicial na média móvel do último trimestre, comparado ao mesmo período de 2020.

Os dados levam em consideração a base de dados da Central de Proteção ao Crédito (SCPC), construída com informações dos fóruns, tribunais de Justiça, diários oficiais e varas de falências.

Por mais que o número pareça positivo, o especialista e CEO da Quist Investimentos, Douglas Duek, reflete que os dados representam uma incerteza. "A instabilidade do mercado e a indecisão dos empresários, que até para uma decisão de reestruturação não veem um cenário claro da economia", explica.

Segundo o CEO, a recuperação judicial é um passo essencial para evitar falência. "Em meio às dívidas, muitas possibilidades são esgotadas e a recuperação judicial trabalha justamente para que a empresa ganhe mais fôlego, enquanto mantém suas atividades", completa.

O especialista destaca ainda a alta procura por diagnósticos específicos de reestruturação e recuperação judicial. "Os últimos números refletem a baixa trimestral na média móvel, todavia acreditamos que, com a alta da inflação e o problema na cadeia de insumos e outros pontos como, por exemplo, os juros, podemos ter uma série de coisas represadas que ainda estão por vir”.

Muitas empresas seguem com reclamações financeiras e consultando Duek para diagnósticos específicos de reestruturação e recuperação judicial. O que, segundo ele, mostra que internamente os números não diminuíram, na verdade, as buscas estão aumentando.

As empresas devem ficar atentas ao movimento de mercado atual, a inflação e outros componentes internos e externos para tomar por fim a decisão de buscar ou não o recurso da recuperação judicial.

 

Fonte: Contábeis | 16/11/2021